Chá na Harrods

Algumas coisas para mim soam como pura poesia. Foi assim que ouvi a história da minha amiga Simone Strike. Ela me contou  sobre um chá que foi tomar com a sua irmã, em Londres, na Harrods. Sabe aquele momento mulherzinha? Que você deixa o mundo parar do lado de fora?  Simone é uma amiga poesia. Assim que consigo descrever a sua doçura.  É daquelas pessoas que sabem dar valor e tornar importante as coisas mais simples da vida. Encantada com a história e o momento amor dela com a irmã, desejei muito um dia tomar um chá na Harrods. Lá no último andar,  no salão todo cor de rosa. Tipo casa de boneca. Tranquilo. Acolhedor.

Foi assim que começou a minha primeira manhã em Londres. Recomendo. Não sei se por encanto, se é por ser um ato tão tradicional dos ingleses ou porque a loja é linda e gosto de me sentir princesa. Só sei que recomendo e faria mil vezes!

HI, Londres!

Depois da maratona em NY (aguardem que ainda tem muitos posts de lá!), chegamos em Londres! A F*Hits nos convidou para assistir ao desfile da Issa (marca que está bombando vestindo a futura rainha Kate), cobrir o desfile do London Fashion Week e para o lançamento daquela linha misteriosa, lembram? Impossível dizer não, né? Cá estamos preparadíssimas para conhecer essa cidade (é a minha primeira vez aqui! uiii! Gelo na barriga!) e descobrir novas coisas para contar aqui no blog!

Chegando ao hotel, a equipe do F*Hits nos preparou uma surpresa: um kit Eudora e um bilhete fofo já nos esperavam no quarto. Demais, né? Ficamos que nem loucas (eu e Camila, minha roommate) testando tudo e dando gritinhos. Acho que vai sair briga aqui na hora de dividir esse kit! kkkkkk

Temos desfile da Issa e vários outros encontros! Fiquem ligadas que tem muita novidade boa chegando!

Dica de NY: Luvas na Sermoneta Gloves

Não está brinquedo esse frio, não. Estou toda vestida de pacotinho para suportar o vento e a baixa temperatura aqui em NY. Nosso primeiro dia foi muito intenso. Não paramos um segundo só. Haja fôlego. Demos um giro pela Barneys, Bergdorf Goodman, Guggenheim Museum, Central Park, Times Square, Forever 21!

Para caminhar tanto no frio é preciso estar com uma roupa equipada. Como contei aqui sobre como se vestir no frio e percebi que vocês gostaram da dica, vou dar mais uma. Estava com uma luvinha muito safada, viu? Ela é de pelica, mas só pelica. Não adianta nada. Ela fica um gelinho. Em Berlim comprei uma de neve. Além de ser incômoda, ela só funciona para o molhado da neve. Não para ficar muito quente, sabe como?

Mariah, que também estava sem luvas, me levou na Sermoneta Gloves, uma loja especializada nisso. O modelo que você imaginar lá tem. Todas as cores, acabamentos e detalhes diferentes que desejar. O preço não é essas maravilhas. No entanto, o produto é de MUITA qualidade. Comprei uma de pelica, um pouco mais longa para tampar o vento, com pelinhos por dentro. É um forninho nas mãos. Custou U$ 155, mas tenho certeza que vai ser uma coisa que vai durar para sempre e que efetivamente funciona. Já saímos da loja com elas!

Se estiver procurando por uma, vale a visita. Não podia tirar fotos lá dentro, por isso não registrei muitos detalhes. Mas no site aqui é possível ver alguns modelos e valores. Só aviso que na loja tem mais opções do que no site!

EXTRA EXTRA! Olha a nossa energia, meia-noite, depois de sair de um voo de 9 horas! Amei essa foto! Vai para o mural!

Dica de restaurantes em Florença

Tá bom! A Itália é recheada de história, arte e cultura. Mas, o comer também faz parte dessa cultura. E como comem bem esses italianos. Farinha branca na veia! Tive que me segurar para não voltar rolando no meio de tanta massa, queijos, vinho e um waffle com nutela! Fiquei sonhando em fazer um Comer, Rezar & Amar só na Itália!

Coletar dicas de restaurantes é para mim equivalente a buscar os principais pontos turísticos de uma cidade. Faço aquela pesquisa turistona, dos guias. Mas, é só encontrar a oportunidade de falar com algum morador e já pergunto se estou caindo em alguma cilada pega turista e a sua dica de um bom lugar para comer bem! Resolvi dividir um pouco da minha gulodice italiana com vocês. Quem sabe alguém está se preparando para invadir a terra de Totó e quer levar junto algumas dicas!

A primeira dica com mais de mil calorias é o Golden View. Quem idicou foi uma leitora. Ele fica dentro de um hotel, nas margens do Rio Arno. Para quem está caminhando no sentido Duomo-Palacio Pitti, fica no lado esquerdo, depois que passa a ponte.  Aqui o ponto forte não é a comida. Mas sim a vista para um dos pontos mais lindos de Florença: a ponte Vecchio. Não digo que a comida não seja boa. Ela é gostosa, bem feitinha, OK. Não vai ser a melhor da sua viagem, mas vale muito ver toda aquela maravilha na sua janela. Lembro que gastei com entrada, bebida e prato principal uns 25 euros. Não tão caro quando se considera a localização do Golden View.

A Trattoria Marione foi uma dica que arrematei com o dono da escola Marangoni, em Florença. Ele já é um senhor, nascido e criado na cidade. Perguntei assim: quando você quer comer a comida da mama, onde você vai? Ele já mandou o Marione. Por coincidência ele era bem do ladinho do nosso hotel. Paramos para o almoço e hummmmmmm!!! A melhor comida da viagem! Afff, salivei! kkkkk! Pedi ossobuco de vitela. Derretendo. Gastei, com tudo (entrada+bebida+prato principal), uns 20 euros. Não deixe de ir!

O Buca Mario foi dica  de Wanessa, minha “plima”.  Está em muitos guias e ela disse que tinha sido o melhor restaurante da sua trip por Firenze. Antes de toda gordice,  fomos recebida pela melhor brusqueta do mundo. Pão, azeite, sal e alho! OLHAAA, quase comi meu dedo junto! Bom demais.

Deixei o local para provar o prato mais típico da Toscana: a bisteca Fiorentina. Eu e Camila, metidas a besta, pedimos sem olhar e questionar. O que aconteceu? O prata é MEGA gigante e tivemos que jogar quase tudo fora. De matar, né? Acho que o garçom deveria ter informado que duas ladies não podem comer um prato de Obelix. Mesmo assim está perdoado! 😉 Camis acompanhou a sua bisteca com uma batatinha e quase foi na cozinha pedir a receita de tão delícia que estava! hehehehehe! A conta dessa brincadeira foi 55 euros. Um pouco carinho, mas a bisteca é sempre o prato mais caro de qualquer restaurante.

O The Fusion fechou a nossa estadia em Firenze com chave de ouro, ou seria colher de ouro? Fomos a convite de Consuelo Blocker e Roberto. Localizado dentro de um dos hotéis do grupo Salvatore Ferragamo, é cheio de gente bonita e daquele clima animado. Começamos os trabalhos da noite com um Bloody Mary e terminamos com risadas gostosas e sobremesas divinas.

Essa dica veio também de Consuelo (já viram o lindo blog dela?). Sabe aquela fominha do fim do dia? É lá no Procacci que você deve matar! Situado no endereço mais fashion de Florença, entre a Hermés e Cavalli está uma delicatessen cheia de charme. O que comer? A única coisa que vi no meio de minimesas lotadas: panini tartufati e uma taça de vinho chianti. Confesso que sou um pouco chatinha com o cheiro da trufa. Mas, eles são delicados!

Não deixe de levar para casa várias delícias da Toscana em potinhos (molhos, peticos, pasta de trufa, azeites etc.) e de pegar no caixa váaaaaarios torrones. Com certeza o melhor que já comi na vida. Fiquei triste que só comprei 2! #gulosa

Falamos em tantas calorias, mas não pense que acabou! Temos ainda o momento pé na jaca. Não podia deixar de falar dos tradicionais sorvetes italianos. Tão famosos quanto Davi, os sorvetes são quase um souvenir. Você não dá 2 passos sem encontrar uma lojinha com sorvetes lindões. Provei sem roteiro e gostei de todos! Não precisa de hora nem local marcado. É só pegar na sorveteria mais próxima no momento da gula!

Já as waffles+nutella são um caso à parte. Camila foi a primeira a cair na tentação e me levou junto. Ficávamos sempre no hotel planejando em qual momento do dia iríamos atacar mais uma bola de açúcar, farinha+ nutella. kkkkkkk. Elas também são praga como o sorvete, mas nem todas são iguais. A melhor era perto do nosso hotel, o Roma, mas esquecemos de anotar o nome. Sorry! Nesse caso, é sempre bom perguntar antes se eles vão aquecer a waffle (elas já ficam prontas em um montinho). Fria não é legal e alguns não fazem isso!

Acho que este post me deu fome! Tá bom! A Itália é recheada de história, arte e cultura. Mas, o comer também faz parte dessa cultura. E como comem bem esses italianos. Farinha branca na veia! Tive que me segurar para não voltar rolando no meio de tanta massa, queijos, vinho e um waffle com nutela! Fiquei sonhando em fazer um Comer, Rezar & Amar só na Itália!

Coletar dicas de restaurantes é para mim equivalente a buscar os principais pontos turísticos de uma cidade. Faço aquela pesquisa turistona, dos guias. Mas, é só encontrar a oportunidade de falar com algum morador e já pergunto se estou caindo em alguma cilada pega turista e a sua dica de um bom lugar para comer bem! Resolvi dividir um pouco da minha gulodice italiana com vocês. Quem sabe alguém está se preparando para invadir a terra de Totó e quer levar junto algumas dicas!

A primeira dica com mais de mil calorias é o Golden View. Quem idicou foi uma leitora. Ele fica dentro de um hotel, nas margens do Rio Arno. Para quem está caminhando no sentido Duomo-Palacio Pitti, fica no lado esquerdo, depois que passa a ponte.  Aqui o ponto forte não é a comida. Mas sim a vista para um dos pontos mais lindos de Florença: a ponte Vecchio. Não digo que a comida não seja boa. Ela é gostosa, bem feitinha, OK. Não vai ser a melhor da sua viagem, mas vale muito ver toda aquela maravilha na sua janela. Lembro que gastei com entrada, bebida e prato principal uns 25 euros. Não tão caro quando se considera a localização do Golden View.

A Trattoria Marione foi uma dica que arrematei com o dono da escola Marangoni, em Florença. Ele já é um senhor, nascido e criado na cidade. Perguntei assim: quando você quer comer a comida da mama, onde você vai? Ele já mandou o Marione. Por coincidência ele era bem do ladinho do nosso hotel. Paramos para o almoço e hummmmmmm!!! A melhor comida da viagem! Afff, salivei! kkkkk! Pedi ossobuco de vitela. Derretendo. Gastei, com tudo (entrada+bebida+prato principal), uns 20 euros. Não deixe de ir!

O Buca Mario foi dica  de Wanessa, minha “plima”.  Está em muitos guias e ela disse que tinha sido o melhor restaurante da sua trip por Firenze. Antes de toda gordice,  fomos recebida pela melhor brusqueta do mundo. Pão, azeite, sal e alho! OLHAAA, quase comi meu dedo junto! Bom demais.

Deixei o local para provar o prato mais típico da Toscana: a bisteca Fiorentina. Eu e Camila, metidas a besta, pedimos sem olhar e questionar. O que aconteceu? O prata é MEGA gigante e tivemos que jogar quase tudo fora. De matar, né? Acho que o garçom deveria ter informado que duas ladies não podem comer um prato de Obelix. Mesmo assim está perdoado! 😉 Camis acompanhou a sua bisteca com uma batatinha e quase foi na cozinha pedir a receita de tão delícia que estava! hehehehehe! A conta dessa brincadeira foi 55 euros. Um pouco carinho, mas a bisteca é sempre o prato mais caro de qualquer restaurante.

O The Fusion fechou a nossa estadia em Firenze com chave de ouro, ou seria colher de ouro? Fomos a convite de Consuelo Blocker e Roberto. Localizado dentro de um dos hotéis do grupo Salvatore Ferragamo, é cheio de gente bonita e daquele clima animado. Começamos os trabalhos da noite com um Bloody Mary e terminamos com risadas gostosas e sobremesas divinas.

Essa dica veio também de Consuelo (já viram o lindo blog dela?). Sabe aquela fominha do fim do dia? É lá no Procacci que você deve matar! Situado no endereço mais fashion de Florença, entre a Hermés e Cavalli está uma delicatessen cheia de charme. O que comer? A única coisa que vi no meio de minimesas lotadas: panini tartufati e uma taça de vinho chianti. Confesso que sou um pouco chatinha com o cheiro da trufa. Mas, eles são delicados!

Não deixe de levar para casa várias delícias da Toscana em potinhos (molhos, peticos, pasta de trufa, azeites etc.) e de pegar no caixa váaaaaarios torrones. Com certeza o melhor que já comi na vida. Fiquei triste que só comprei 2! #gulosa

Falamos em tantas calorias, mas não pense que acabou! Temos ainda o momento pé na jaca. Não podia deixar de falar dos tradicionais sorvetes italianos. Tão famosos quanto Davi, os sorvetes são quase um souvenir. Você não dá 2 passos sem encontrar uma lojinha com sorvetes lindões. Provei sem roteiro e gostei de todos! Não precisa de hora nem local marcado. É só pegar na sorveteria mais próxima no momento da gula!

Já as waffles+nutella são um caso à parte. Camila foi a primeira a cair na tentação e me levou junto. Ficávamos sempre no hotel planejando em qual momento do dia iríamos atacar mais uma bola de açúcar, farinha+ nutella. kkkkkkk. Elas também são praga como o sorvete, mas nem todas são iguais. A melhor era perto do nosso hotel, o Roma, mas esquecemos de anotar o nome. Sorry! Nesse caso, é sempre bom perguntar antes se eles vão aquecer a waffle (elas já ficam prontas em um montinho). Fria não é legal e alguns não fazem isso!

Acho que este post me deu fome!

Brincando de Ursinho – Roupas com detalhe em pele

Fake ou not! Isso é você que decide. Mas, que todo mundo vai estar vestida de ursinho no próximo inverno eu não tenho dúvida. Nenhuma! Pelas ruas de Florença só dava pele. Lembram do post de uma festa na Luisa Via Roma? Nas passarelas do Fashion Rio também.

As peles são um clássico do closet. Quem tem uma vovó tradicional pode ter herdado alguma peça. As que não têm, ou são ecologicamente corretas, podem se preparar para comprar muitas peças que simulam casacos de pele.

Caminhando por Berlim vi um colete de pele (não sei se era real ou fake!) incrível na arara da Gucci. Pena que o frio de -17 não me permitiu fotografar. Fiquei louca por ele. Apesar de ser de pelos, tinha um ar boho que eu adorei. No outro dia, caminhando pelo Mitte, em Berlim, passei pela vitrine da Machima, e vi uma copycat do tal colete da Gucci por apenas 50 eurinhos! Não resisti e arrematei! Ele é lindo e estava dentro da proposta que eu queria. Só não sei se posso recomendar muito a marca, já que junto levei um vestido de oncinha que abriu a costura no primeiro dia de uso. Kuen, Kuen, Kuen, né?