4 destaques da Paris Fashion Week Spring Summer 2020

A Semana de Moda de Paris com coleções Primavera Verão 2020 foi, conforme esperado, carregada de manifestações políticas por parte das labels.

As posições dos designers não poderiam ser mais claras, com Rick Owens e Telfar Clemens fazendo alusão à crise migratória nos E.U.A, Demna Gvasalia da Balenciaga recriando o Parlamento Europeu na sua apresentação, Galliano fazendo crítica ao Primeiro Ministro Britânico Boris Johnson, Marine Serre abordando a questão climática, entre outros.

Como um todo, a pauta mais em voga no momento é a urgência da implementação da sustentabilidade no mundo da moda. Isso abrange desde a normalização dos desfiles carbono neutro, até a valorização dos trabalhos handmade e produções locais e da reutilização de materiais, além da busca por evitar os excessos e desperdícios tão comuns na indústira. Só se fala nisso!


Alexander McQueen

Encantadora, apaixonante, única, deseja… como mais descrever a nova coleção (ou todas as coleçõe? hehe) da Alexander McQueen? Sarah Burton arrasa mais uma vez na Direção Criativa dessa marca tão tradicional, com um DNA super genuíno e que ainda assim surpreende ano após ano.

Muita renda, organza, tule, linho, seda, bordados primorosos de cair o queixo e alfaiataria produzida com lã artesanal reaproveitada de moinhos no norte da Inglaterra.

Beleza magnífica define.


Balenciaga

A arena política criada por Demna Gvasalia para apresentar a Primavera Verão do ano que vem da Balenciaga deu o que falar. Para quem tinha a intensão de abordar a questão do “power dressing”, nada mais indicado, certo?

E se o assunto é poder, não poderiam faltar shapes oversized (afinal de contas, é a Balenciaga!), muuuitos looks pretos monocromáticos, perfume retrô de elegância clássica misturado com elementos urbanos e alternativas ultra sexies, como o bandage vermelho de veludo ombro a ombro usado pela Bella Hadid.

Power sexy, power red.


Christian Dior

Maria Grazia Chiuri teve como fonte de inspiração par a nova coleção da Dior, uma figura incônica na história da marca, e que representa ao mesmo tempo, temáticas super relevantes atualmente. Irmã de Christian, Catherine “Miss Dior” foi uma sobrevivente de campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Depois da sua libertação, ela se especializou em jardinagem e botânica.

O resultado é uma coleção para mulheres confiantes, lutadoras, resistentes e diretamente conectadas à natureza. Existe alguma coisa mais 2020?


Louis Vuitton

Com forte inspiração na Belle Époque do final dos 1800, Nicolas Ghesquière apresentou a Louis Vuitton SS2020 no museu do Louvre. Por ser a última a se apresentar em Paris, a grife encerrava não só a temporada do fashion month, mas todas as apresentações da década. Super simbólico, não?

E não deixou a desejar! As peças são ricas em detalhes e cheias de informação de moda. Os shapes são femininos e as silhuetas marcadas. As estampas são impactantes e acessórios irreverentes sobressaem em looks clássicos. A prioridade? Valorização absoluta do estilo individual.

Paris, alta moda, cultura, arte, um aceno ao passado, otimismo para o futuro… É uma combinação infalível! Não tinha como não dar certo.


Deixe seu comentário, quero saber o que você achou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *